Psicologia para criança

A Psicologia para criança tem a função de estudar as manifestações psíquicas da criança, incluindo a cognição percepção, linguística, física, emocional, social e tudo que envolve o mundo infantil. Além disso, visa investigar como as variáveis de um ambiente e a biologia influenciam o comportamento da criança, objetivando ainda investigar como essas variáveis se relacionam e se influenciam entre si. Através da psicanálise e outras técnicas utilizadas junto a psicologia individual compreendemos então a importância que essas ferramentas exercem no trabalho com a criança. 

O fato é que o desenvolvimento da criança envolve aspectos diversos, que incluem o desenvolvimento físico, emocional, social, e também as alterações psíquicas que surgem em todas as fases do desenvolvimento infantil. O desenvolvimento infantil é determinado pelas condições genéticas e pelo ambiente que o cerca. É importante frisar que a psicologia deve estar amparada a uma rede de apoio que envolve em alguns casos a psiquiatria e também o auxílio do pediatra, visando a orientação de pais, e familiares, utilizando também de técnicas como a ludoterapia e em alguns casos há o atendimento em grupo, e outras variantes que se fizer necessário. 

Para compreender o processo de desenvolvimento da criança a ser trabalhado no atendimento psicológico há de se ater a importância de compreender os quatro aspectos de desenvolvimento da criança que necessitam de estímulo e quais desses aspectos precisam de mais atenção no trato relacionado à saúde mental. 

Os aspectos do desenvolvimento infantil e as variáveis de atenção na psicologia para criança 

Desenvolvimento Afetivo - Relacionado a sentimentos e emoções sendo perceptíveis desde a fase inicial, ou seja, quando o indivíduo ainda é um bebê. Nesta fase, o bebê é capaz de entender todo o carinho e amor que lhe é ofertado, sendo capaz de amar e criar laços afetivos com os pais e outras que estejam próximas a ele. Estas relações são fundamentais para o desenvolvimento da inteligência emocional para que futuramente não haja problemas afetivos. 

Desenvolvimento Cognitivo - Relacionado ao intelecto, refere-se a atenção, raciocínio, memória e aptidão a resolver problemas. Esta área é desenvolvida com o passar do tempo, na fase inicial do desenvolvimento, o indivíduo não tem uma memória aguçada, fato que, com o desenvolvimento humano só lembramos de fatos posteriores a idade de três ou quatro anos de idade. Na criança o desenvolvimento cognitivo possibilita que ela interprete, reconheça e se relacione com os estímulos ambientais que a rodeiam e se conecte com a sua essência. 

Desenvolvimento físico - Relacionado a forma que a criança desenvolve suas habilidades e capacidades motoras ao sentar, andar, ficar em pé, pular, correr, dançar, etc... e ainda, as atividades que necessitam de mais atenção, como a escrita o desenvolviment5o físico acaba dependendo da parte relacionada ao desenvolvimento cognitivo.

Desenvolvimento Social - É socialmente, que a criança aprende a interagir com o meio em geral. Através do desenvolvimento social a criança estabelece com outras pessoas uma espécie de intercâmbio de informações que permite adquirir cultura, tradições e regras sociais. O brincar no desenvolvimento da criança está relacionada a esse tipo de desenvolvimento, pois através da socialização com outras crianças, é que são desenvolvidas certas capacidades de relacionamento e noções de limites. 

Qual o objetivo da psicologia para a criança 

Na infância, a criança é cercada de um mundo de descobertas que se transforma a cada dia. Nessa fase é que surgem os primeiros sinais de criatividade, os primeiros afetos e também os primeiros medos que tendem a ser inicialmente frutos da sua imaginação. Além disso, é na infância que quando a bagunça e o barulho que é característico da criança dão lugar ao silêncio e isolamento é que devemos nos preocupar que algo realmente necessita de atenção. E mais, é quando surgem a lista de obrigações e afazeres como guardar brinquedos inicialmente, pode ser sentido pela criança uma certa pressão.

Fato é que, na sua visão é difícil corresponder a essas expectativas tornando-se algo doloroso em que na maioria do tempo as crianças não expressam em palavras, acreditando que não vai conseguir fazer direito e que o papai ou a mamãe faz melhor e que sua função no mundo é somente brincar. ou seja, julgando-se incapaz. E pensando neste contexto é importante que os pais busquem o apoio da psicologia infantil para orientação no sentido da descoberta de novas aptidões. 

O objetivo da psicologia para a criança através da psicoterapia, é auxiliar na expressão das emoções que a criança exterioriza, e através das brincadeiras ela é capaz de externar os seus sentimentos e ressignificar aquilo que julgou ser traumatizante. Desta forma, o psicólogo funciona como facilitador identificando conflitos e auxiliando na busca de atenuantes para lidar com estes conflitos. Quando esse cuidado é tomado na infância as fases de desenvolvimento que seguem não serão prejudicadas. Ou seja, quando os pais buscam psicoterapia na para a criança o adulto contribui na formação da criança para que seja um adulto consciente dos seus sentimentos, e tenham mais maturidade para lidar com as dificuldades do dia a dia. 

Sinais de quando a criança necessita da Psicologia para criança

Fato é, que ninguém nasce sabendo ser pai ou mãe, por isso não é sempre que conseguimos entender os filhos, é aí que muitos pais não buscam auxílio de um psicólogo infantil por se julgarem frágeis, incapazes e não quererem assumir as suas falhas. A questão que a psicologia para criança é complexa, e buscar os sinais de que algo não funciona e que há distúrbios psíquicos que necessitam de tratamento exige observação no que se refere a tudo que cerca essa criança. Sendo assim, são necessárias algumas condutas que visam identificar os problemas de ordem emocional na criança e a importância da atuação do psicólogo nestas circunstâncias Entre esses problemas estão: 

Relacionamento com os pais - É normal que o filho se identifique mais com um dos pais, seja por afinidade, ou por convivência, a questão é quando um dos pais não se fez presente, seja por falta de tempo ou por separação conjugal, neste caso é possível que haja danos na parte emocional da criança. Cabe ressaltar que, neste momento é necessário que os pais como casal busquem resolver suas problemáticas e conseguir ter um diálogo respeitoso com a criança. 

Tristeza excessiva e falta de motivação - há diferença entre tristeza e desmotivação, quando aparecem esses sintomas é necessário observar como a criança se relaciona com outras pessoas, e se há instabilidade de humor ou identificar o que ocorreu que desse lugar a esse sentimento. Depois de identificar o que pode ter levado a instabilidade de humor, propor que mude sua rotina e que novas atividades deem lugar à sua rotina. E se ainda assim esses sentimentos persistirem é hora de buscar um psicólogo.

Dificuldades para se relacionar com os colegas - Se uma criança é mais introvertida ainda assim teve ter alguma amizade na escola. Mas, se é o caso de a criança somente querer brincar sozinha, pode ser sinal de que algo não está bem. O isolamento pode indicar sinais de autismo, ou bullying. Dependendo do caso a criança não se sente à vontade para conversar com os pais, assim é importante que seja conversado com professores e colegas para entender o que está acontecendo. 

Queda no desempenho escolar - O período de provas pode ser muito estressante para as crianças, de forma que, ao findar os períodos e até um ano letivo, pode acontecer a queda no rendimento escolar. Neste momento, é importante estar atento a todo o contexto que a criança esteja vivenciando, ou seja, se há algum conflito ou alguma dificuldade relacionada com algum evento familiar, escolar ou até com os colegas. Além disso, é necessário primeiramente ouvir o seu filho, e se ainda assim não conseguir compreender o porquê da queda no desempenho escolar, buscar ajuda de um psicólogo. 

Traumas e luto - A morte, acidentes, mudanças drásticas na rotina da criança podem ser motivos de atenção. É normal levar um tempo para lidar com a perda, mas há casos de as emoções durarem mais que o tempo necessário e bloquear qualquer possibilidade de desenvolvimento na vida da criança, estagnando todo o processo de amadurecimento e atrapalhando até a vida adulta. Neste caso, é primordial o acompanhamento psicológico, mas ressaltando que é importante que talvez seja necessário que os pais também busquem a psicoterapia, para que eles também reconheçam a origem dos problemas causado em seus filhos. 

E por fim, é fundamental estar atento ao comportamento do filho e suas reações em situações diversas. Se você gostou desse post, e deseja auxiliar no desenvolvimento do seu filho, e deseja mais informações em como o psicólogo pode lhe orientar, entre em contato para maiores informações.